2007 _ The White Wall | descrição do projecto

 | home >

outras paredes < 25 modulos < 10 modulos || projecto || simulação >

THE WHITE WALL

A pintura cenográfica “Almagre” desenvolvida em 2005 na Ilha de Santa Maria, Açores para as comemorações do dia da Região Autónoma, explorou a ideia da “capacidade de uma superfície pintada interagir com um público”. A opção estética encontrada passou por fazer acompanhar “o andamento” da referida cerimónia por um “jogo” de feixes de luz de intensidade variável sobre uma superfície pintada. Esta experiência permitiu desenvolver o conceito de “pintar com luz”. Com “The bright side of the moon”, exposição realizada em 2007, deu-se continuidade ao conceito através do elemento sombra / luz, dando-se especial relevo à relação formal entre o volume e a luz, abrindo caminho para o desenvolvimento do conceito associado á materialização do “tempo” enquanto unidade de medida. Em 2005, com “Boa viagem“, explorou-se as ideias anteriormente apresentadas, acrescentando-se o “texto escrito” enquanto elemento visual e sua relação com o contexto onde está inserido o trabalho

—-A orientar a nossa atenção para as relações formais entre os fenómenos estéticos resultantes de condições ambientais e físicas, o projecto THE WHITE WALL, deve ser interpretado como um processo criativo, transitório e experimental que aprofunda “linhas de pensamento” fundadas nas problemáticas inicialmente desenvolvidas a funcionar como ponto de partida para projectos a desenvolver no futuro.
Com este projecto pretende-se explorar o conceito da capacidade de uma parede transfigurar-se, as problemáticas da sombra / luz enquanto “unidade de medida temporal” e a construção / desconstrução da mensagem enquanto conteúdo estético.
—-De acordo com referências espaciais de natureza física, ao movimentarmo-nos num espaço, estamos a ser condicionados ao nível do comportamento. Esta questão leva-nos a procurar entender o conceito de parede enquanto superfície arquitectónica “viva”, sua relação com o espaço envolvente e implicações sensoriais junto do espectador. Exercendo-se de forma diferenciada consoante a natureza dos espaços – território, espaço público ou espaço particular, THE WHITE WALL adapta-se às diferentes envolvências graças à sua natureza modular
—-Ao interpretar-se a ideia de tempo como elemento resultante da interacção entre a luz, superfície do trabalho, o espaço envolvente e o espectador, deve-se referir que à semelhança do que acontece na lua, em que a luz solar é reflectida pela sua superfície e durante a lunação, a parte iluminada apresenta-se com vários aspectos, consoante as posições relativas do Sol e da Lua em relação à Terra, a superfície de THE WHITE WALL reage do mesmo modo, reflectindo diferentes intensidades de luz, como um organismo vivo, dependendo unicamente das fontes de luz naturais ou artificiais existentes no local. A funcionar como um meio, a superfície de THE WHITE WALL comporta-se plasticamente como uma “pele” que tudo recebe e que tudo devolve sendo marcada por duas características principais associadas à sua vocação plástica: A tridimensionalidade / irregularidade dos elementos horizontais ou verticais e o tratamento cromático da sua superfície (brancos e cinzas) e cor de parede envolvente.
—-Em presença de espaços arquitectónicos de características cromáticas diferenciadas, e confrontando esta variável com a necessidade de interpretar a parede como continuação formal do trabalho, o branco surge como uma escolha central para a superfície do trabalho não só pela sua neutralidade, capacidade acrescida em reflectir luz, sua vocação expressiva e leitura poética.
—-A privilegiar a visão, THE WHITE WALL usa a luz como material pictórico exaltando os seus reflexos profundos que absorvendo essa mesma luz, a devolve transformada pela persistência do uso e do tempo. Coando a luz por camadas, a superfície promove uma relação tácita entre clareza e e obscuridade desenvolvendo um diálogo subtil entre sombras de leitura dinâmica e temporal. De forma idêntica, o visível é feito de barreiras com fragmentos de significados que se desmontam pela vontade de quem as quer ver, reinventando abordagens impregnadas de emoção e razão.
—-Com um baixo-relevo composto por lâminas horizontais ou verticais de altura variável ( 2 – 5 cm.), a tridimensionalidade existente na pintura promove o conceito de desconstrução / construção da mensagem através do posicionamento do espectador em relação ao trabalho e funciona como um catalisador de luz, reflectindo-a e filtrando-a de acordo com os feixes de luz existentes no local devido aos diferentes ângulos e intensidades de incidência da luz sobre a sua superfície. De igual modo, a irregularidade das lâminas em sua presença permite acrescentar novas propriedades plásticas à superfície, neste caso o elemento sombra composto por uma sucessão de umbras e penumbras simetricamente opostas ao elemento luz.
—-Considerando o trabalho no seu todo como um sistema de valores coerente, compete à composição organizar e hierarquizar uma leitura que desenvolva um objectivo estético por parte do espectador através de elementos visuais de natureza e forças diferentes. Além das questões anteriormente abordadas como relações de espaço e gestão de leitura do trabalho a ideia de módulo relaciona-se também com a necessidade de organizar a composição através da justaposição de três grupos de elementos distintos – ao nível do contraste claro / escuro, ao nível do desenho geométrico / orgânico e ao nível do formato global da superfície e sua relação com o espaço envolvente. Em presença de variáveis arquitectónicas e ambientais, tornou-se importante por forma a estabilizar as várias soluções compositivas, sobrepor uma geometria sombreada sugerida pelos limites dos módulos à organicidade das linhas de luz / sombra resultantes dos elementos laminados.
—-Associado à sua dimensão, a composição da pintura estrutura-se através de 25 módulos de 70 X 70 cm, perfazendo uma dimensão de 350 X 350 cm. na sua versão maior. Com estas características pode-se explorar “outras paredes” (como se de um puzzle se tratasse) de formato e dimensão diferenciadas, bastando para isso reordenar a disposição dos referidos módulos, respeitar a relação de escala, as características dos pontos de luz existentes e a função a que se destina o espaço. A referida funcionalidade do trabalho enquanto capacidade interventiva (sentido poético) da mensagem no meio, pode-se incorporar na sua superfície através de textos ou imagens pintadas que em sintonia com o projecto descrito, acrescentem novos significados / significantes aos problemas iniciais. Esta questão, (a ser aprofundada em projectos futuros) coloca um problema de fundo relacionado com a força literária relativa do elemento de primeiro plano, estando sujeita ao desenvolvimento de uma “escrita” visual de compromisso com todos os restantes elementos visuais.
—-THE WHITE WALL desenvolve duas variantes distintas relativas à sua composição e mensagem independentemente do formato geral do trabalho destacando a primeira um conceito temporal, desprovido de elementos de primeiro plano, minimal e repetitivo de formato variável orientado de forma horizontal ou vertical, a partir do quadrado, rectângulo e triângulo. Esta solução explora como elemento principal a Luz / sombra e apropria-se de forma directa da parede onde está instalada usando-a como um elemento integrado no seu sistema de valores. De outro modo, a segunda solução destaca o conceito de construção / desconstrução da mensagem, com elemento visual isolado e identificável a funcionar como um “ponto de tensão”, remetendo todos os restantes elementos para segundo plano. Este elemento visual de primeiro plano depende da natureza do texto / forma e sua capacidade de ganhar novos significados / significantes consoante o contexto onde está inserido.

—-A explorar a ideia em que o espectador deixa de estar perante o objecto artístico e passa a estar dentro do próprio, o projecto exposto promove o “tempo” através de uma mutação visual junto do receptor e sua emoção anexa. Em presença de um espaço arquitectónico de interior público composto por três pisos, dois dos quais relacionados através de duas mezanines simétricas e um passadiço aéreo a reforçar um eixo central composto por um alçado de parede de grandes dimensões, THE WHITE WALL, garante uma continuação lógica do espaço, pontuando-o e reforçando-o, impondo uma relação de escala e redefinindo “um centro”. A existência de vários níveis / sub níveis e ângulos de visão a partir das mezanines, passadiço e escadas de acesso, permite ao espectador dispor sobre a pintura diferentes ângulos de visão, privilegiando uma extensão do próprio carácter do local e reforçando um entendimento do lugar.

Dados técnicos dos trabalhos expostos

Title : the white wall #8.1
Dimension : 210 X 210cm. (5 modules – 70 X 70cm.)
Technique : primary enamel over a mixed technique.
Place : Atalhada
Date : 2007

Title : the white wall #10
Dimension : 283 X 283cm. (16 modules – 70 X 70cm.)
Technique : primary enamel over a mixed technique.
Place : Atalhada
Date : 2007

Exposição  realizada a 22 Dezembro, 2007 | Atelier EA+ | Galeria | travessa do colégio | ponta delgada | açores | T+ 351 296281941 | F+ 351 296281949 | info@eamais.com

Fontes / texto:
“A Arte Atualizada no Espaço-Tempo Real e no Tempo-Espaço Cibernético: Diferentes Qualidades Perceptivas”. – Anna Barros
“O Conceito de Tempo na Física” – Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada.
“O Tempo na Física” – Henrique Fleming
“O Conceito de Infinito na Filosofia Monista” – Pedro Orlando Ribeiro
“Artes do Espaço: Arquitectura/cenografia” – Gabriela Gonçalves
“O Elogio da Sombra” – Jun’ichiro Tanizaki

.

biography | art work | catalogues | links | contact and geographical location | forthcoming projects

Anúncios

One thought on “2007 _ The White Wall | descrição do projecto

  1. Pingback: No Sem Espinhas « filipe franco contemporary art

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s